Home - Convergência Digital

Gerdau troca o lápis e papel pelo game e óculos 3D

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 23/09/2016

Óculos 3D, joystick e um desafio: passar de fases sem nenhum ou com o menor número de erros possível. Essa não é a descrição de um novo game do momento, mas sim, do novo método para treinamentos e aplicação de conceitos de segurança em implantação pela Gerdau, empresa líder do segmento de aço no país. A inovação surgiu com o objetivo de modernizar os treinamentos da certificação obrigatória de Análise Preliminar de Riscos (APR) e tem como foco a eficiência e a facilidade de assimilação de suas práticas pelos operadores das usinas.

Os exercícios, que demoravam uma hora e meia para serem aplicados da maneira tradicional, em sala com papel e caneta, agora são realizados em 18 minutos por um jogo de realidade virtual."A gamificação utiliza técnicas e processos no desenvolvimento de jogos em diversos contextos. A jogabilidade permite que o conteúdo seja absorvido naturalmente e seus resultados sejam potencializados”, explica Luiz Barna, professor mestre em Comunicação, Semiótica, Linguagem e Games pela Faculdade Cásper Líbero, de São Paulo (SP).

O jogo funciona assim: com os óculos, o participante enxerga um ambiente que simula a oficina que irá trabalhar. Utilizando o joystick, ele se move com o objetivo de identificar os riscos que estão envolvidos nas atividades não corriqueiras dentro da sua área. Ao longo do treinamento, o usuário passa por fases e perde pontos caso se esqueça de algum requisito de segurança. O resultado aparece na tela do celular do supervisor.

A gamificação permite, em um só processo, trabalhar três aspectos: o conhecimento, a habilidade e a atitude. “A possibilidade de visualizar os cenários e propor soluções por meio do treinamento em realidade virtual, nos permite absorver o conteúdo de forma mais rápida, além de aumentar a percepção de segurança nos processos diários. Dessa forma, sabemos exatamente como prevenir possíveis riscos na operação”, comenta Jonatan Menezes, um dos primeiros operadores da usina de Charqueadas a realizar o treinamento.

Para o Vice-Presidente de Pessoas e Desenvolvimento Organizacional, Francisco Fortes, os resultados já são percebidos na aplicação da certificação para colaboradores da Gerdau. “Ao utilizar um conteúdo interativo, o colaborador vivencia a situação proposta, o que torna o treinamento ainda mais efetivo. Além disso, a ferramenta traz mais agilidade na avaliação, já que diminui a necessidade de aulas e provas sobre o tema”, salienta Fortes.

 

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/08/2019
Bolsonaro reduz impostos sobre jogos eletrônicos. Zona Franca reage

30/07/2019
Tencent e Qualcomm negociam chips para jogos em 5G

30/01/2019
Empresa americana, dona do Bolsomito 2k18, comunica à Justiça o fim da venda do game

29/01/2019
Gammer: Uma profissão cada vez mais em alta no Brasil

26/10/2018
MPF quer retirada do ar de jogo em que Bolsonaro espanca direitos humanos

11/10/2018
MP do Distrito Federal exige retirada do mercado de game pró-Bolsonaro

10/09/2018
Cultura promete R$ 100 milhões e política de incentivo a jogos eletrônicos

28/08/2018
Procura por estágio em jogos eletrônicos cresce 13% no Brasil

14/08/2018
Olimpíada digital de matemática quer a participação de 100 mil brasileiros

27/04/2018
Maratona de desenvolvimento de jogos acontece em quatro cidades brasileiras

Destaques
Destaques

5G exige políticas públicas e apoio do Governo

Como ressalta o diretor de relações governamentais da Huawei, Carlos Lauria, investimentos pesados em infraestrutura de redes envolvem políticas públicas em qualquer país. 

Redes privadas no 5G impulsionam o crescimento econômico do País

“Nas quatro verticais indicadas pelo governo as redes privadas podem ter impacto forte. Por isso a abertura regulatória é muito importante”, defende a gerente da Qualcomm, Milene Pereira. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Carro autônomo: decisões baseadas em dados vão evitar acidentes?

Por Rogério Borili *

O grande debate é que a inteligência dos robôs precisa ser programada e, embora tecnologias como o machine learning permitam o aprendizado, é preciso que um fato ocorra para que a máquina armazene aquela informação daquela maneira, ou seja, primeiro se paga o preço e depois gerencia os danos.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site